quarta-feira, 6 de março de 2013

UM CORAÇÃO E UMA FÉ PERSEVERANTE.


Na bíblia há vários textos que nos levam a uma reflexão sobre como está o nosso coração e a nossa fé. Por exemplo: em Jeremias 17.9 está escrito: Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá? Em Provérbios 4.23 lemos: Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o coração, porque dele procedem as fontes da vida.
Estes dois textos falam sobre o cuidado que devemos ter quanto ao que guardamos em nosso coração. Ou seja: quando guardamos um mal este mal aos poucos vai nos impedindo de perseverarmos na fé e e de recebermos as bênçãos de Deus que estão sobre as nossas vidas; criamos um bloqueio. Por isso o cristão deve em sintonia com o Espírito Santo, fazer a mesma oração que o salmista fez no Salmo 139.23,24 ao pedir: Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração, prova-me e conhece os meus pensamentos; vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno.
A preocupação do salmista em fazer este pedido a Deus era o de continuar tendo um coração e uma fé perseverante na presença do Senhor, pois a verdade é que quando ficamos preocupados com o que está acontecendo ao nosso redor, perdemos o foco que é Cristo e assim permitimos que o que vem de fora atinja o nosso coração enfraquecendo a nossa fé e a bíblia é clara ao dizer que: sem fé é impossível agradar a Deus (Hebreus 11.6).
Na Sua Onisciência, Deus sabe antecipadamente tudo o que temos guardado no coração, e dependendo do que guardamos, podemos impedir o Seu agir na nossa vida ao ponto de não recebermos respostas das nossas orações. Sendo assim, a nossa libertação deve começar no nosso interior, no coração, de dentro pra fora, para demonstrarmos fé perseverante para que possamos produzir muitos frutos para Deus. 
Isto está claro na parábola do semeador em Mateus 13.3-9, 18-23. Leia esse texto bíblico com muita atenção e em seguida leia o comentário abaixo que Jonathan Edwards escreveu sobre este assunto dizendo:

O verdadeiro cristão persevera em sua obediência a Deus através de todas as dificuldades enfrentadas, até ao fim de sua vida. As Escrituras ensinam de modo completo que a verdadeira fé persevera. O ponto central enfatizado pelas Escrituras na doutrina da perseverança é que o verdadeiro cristão mantém-se acreditando e obedecendo, a despeito dos vários problemas que encontra. Deus permite que esses problemas surjam nas vidas das pessoas que se proclamam cristãs a fim de testar a verdade de sua fé. Então torna--se claro para eles e muitas vezes para os outros, se realmente estão levando a sério seu relacionamento com Cristo. Esses problemas são às vezes de ordem espiritual, como uma tentação particularmente sedutora. Às vezes as dificuldades são de ordem externa, como os insultos, zombaria e perda de posses a que nosso cristianismo possa nos expor. O sinal do verdadeiro cristão é que ele persevera através desses problemas e dificuldades, mantendo-se leal a Cristo.

Eis alguns textos que relatam o exposto. "Pois tu, ó Deus, nos provaste; acrisolaste-nos como se acrisola a prata. Tu nos deixaste cair na armadilha; oprimiste as nossas costas; fizeste que os homens cavalgassem sobre as nossas cabeças; passamos pelo fogo e pela água, porém, afinal, nos trouxeste para um lugar espaçoso" (Sal. 66:10-12). 
"Bem-aventurado o homem que suporta com perseverança a provação; porque, depois de ter sido aprovado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor prometeu aos que os amam" (Tg. 1:12). 
"Não temas as coisas que tens de sofrer. Eis que o diabo está para lançar em prisão alguns dentre vós, para serdes postos à prova, e tereis tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida" (Apoc. 2:10).

Admito que os verdadeiros cristãos podem se tornar espiritualmente frios, cair em tentação e cometer grandes pecados. Entretanto, nunca podem cair tão totalmente que se cansem de Deus e da obediência, e assentar-se num desagrado deliberado pelo cristianismo. Nunca podem adotar um modo de vida no qual outra coisa seja mais importante que Deus. Nunca podem perder inteiramente sua distinção do mundo incrédulo, ou reverter exatamente ao que eram antes de sua conversão. Se esse é o resultado dos problemas num cristão professo, fica demonstrado que nunca foi um verdadeiro convertido! "Eles saíram de nosso meio, entretanto não eram dos nossos; porque, se tivessem sido dos nossos, teriam permanecido conosco; todavia, eles se foram para que ficasse manifesto que nenhum deles é dos nossos" (I Jo. 2:19).

DEle, por Ele e para Ele,

Edécio Augusto - Congregação Presbiteriana do Morumbi (Uberaba - MG).

domingo, 27 de janeiro de 2013

DEUS É MAIOR QUE TUDO


A história narrada em 1 Samuel 17 que fala sobre Davi enfrentando o gigante Golias, é uma das mais interessantes da Bíblia, porque conta a história da vitória que Deus deu ao Seu povo Israel, usando um adolescente – Davi – que estava sendo preparado para assumir o trono de Israel.
Na verdade, a vida de Davi foi marcada por infortúnios tanto na sua vida pessoal, assim como no seu reinado, inclusive na sua vida familiar. Mas Deus em momento algum o desprezou, ao contrário, Deus sempre foi com ele usando-o de forma tremenda.
Inclusive, em Atos 13.22, fala que ele era um homem segundo o coração de Deus, mesmo fazendo o que fez e passando por tudo que passou. Portanto, mesmo que Deus não tenha aprovado algumas atitudes de Davi, Davi sempre mostrou a sua confiança em Deus, e por isso Deus o usou poderosamente.

A história de Davi começa assim: No capítulo 16 Deus envia Samuel até a casa de Jessé (pai de Davi), pois ali, naquela família, entre os filhos de Jessé, estava um que seria ungido como rei de Israel. Quando Samuel chega à casa de Jessé, a começar pelo filho mais velho Eliabe, ele ficou admirado com a aparência do rapaz ao ponto de pensar que seria o rei, mas no verso 7 está escrito: Porém o SENHOR disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a sua altura, porque o rejeitei; porque o SENHOR não vê como vê o homem. O homem vê o exterior, porém o SENHOR, o coração.
Depois de conhecer os outros filhos que estavam na casa, nenhum deles era o ungido de Deus. Mas quando chamam Davi que estava trabalhando no campo cuidando do rebanho da família, este foi apontado por Deus e Samuel o ungiu ainda criança, para ser o rei de Israel.
Um fato interessante neste capítulo 16, é que de todos os filhos de Jessé que eram ao todo oito, sete estavam em casa. Fazendo o que não sabemos, talvez, por serem do exército de Israel, estavam descansando. Davi era o único que estava no campo trabalhando.   

Saiba de uma coisa: Smpre que Deus na Bíblia chamou alguém para realizar a Sua obra, esta pessoa estava trabalhando. Deus nunca chamou pessoas sem que estivesse realizando uma atividade. Imagine Deus chamando alguém desempregado! A toa! Não tem lógica! A obra de Deus não é cabide de emprego.
Então, a partir do momento que Davi é ungido rei de Israel, é claro que ele não iria ocupar o trono desde criança. Não! Mas uma vez ungido rei, Deus aos poucos foi trabalhando na sua vida. E é aqui no capítulo 17 que vemos Davi passando por uma grande experiência, que Deus permitiu que ele passasse.

Então, o que podemos aprender nesse texto é que é através das lutas, adversidades e provações que o crente se desenvolve. Sendo assim, nós vamos aprender nesse texto o seguinte:

  1. O CRENTE SABE O DEUS QUE TEM (16.13). É bom destacar que no AT o ministério do Espírito Santo era diferente dos nossos dias. No cap. 16. 13, vemos que assim que Samuel ungiu a Davi como rei, o Espírito Santo se apossou e permaneceu em Davi. Já no verso 14, diz que o Espírito Santo se retirou de Saul. Isto indica que Davi era um rei ungido de Deus. Saul não!
O período que o Espírito Santo entra e sai da pessoa, é conhecido como o período da Lei. Antes de Cristo vir ao mundo era assim.
Hoje, estamos no período da graça, depois que Cristo veio ao mundo. Isto significa que agora, por meio da fé em Cristo, a presença do Espírito Santo na vida do crente é permanente (1 Co 3.16; 6.19). O Espírito Santo não se retira mais do crente.
Mas mesmo sendo o templo do Espírito Santo ...

  1. O CRENTE SABE QUE TEM UM INIMIGO ASSUSTADOR (17.11,16). O texto fala do tamanho do gigante Golias, 2,70 de altura. A armadura de guerra que ele usava pesava cerca de quase 60 Kg.
No v. 11 lemos que quando ele afrontou o exército de Israel, Saul e todos os demais ficaram espantados e temeram.
No v. 16 lemos que Golias afrontou-os por quarenta dias. E a cada dia era uma nova investida do gigante Golias, o que levava todo o exército de Israel recuar cada vez mais, assustados e com medo.   
É assim que o Diabo faz com o crente! Ele se apresenta grande, forte e nos afronta. Ele faz de tudo para nos envergonhar, nos intimidar, nos faz ameaças para nos convencer a desistir, faz de tudo para nos entristecer e causar danos nos relacionamentos, etc. E o pior é que muitas vezes acreditamos nas suas ameaças e entregamos os pontos. Porém .....

  1. O CRENTE SABE QUE DEVE ESTAR SEMPRE PRONTO PARA ENFRENTAR O INIMIGO NA DEPENDENCIA DO SENHOR (17.32-37). Ao ter conhecimento das ameaças que o gigante fazia ao exército de Israel, ele não suportou ouvir e no final do verso 26 Daví fala: Quem é, pois, esse incircunciso filisteu, para afrontar os exércitos do Deus vivo?
O crente, durante a sua caminhada cristã, passa por muitas experiências, através das quais ele pode vir a crescer ou não. Davi cresceu! Como? Enfrentando o inimigo na dependência do Senhor. E só assim ele se mostra pronto para enfrentar o inimigo.
Nos versos 32 a 37 ele fala das experiências pelas quais passou, livrando o rebanho da família, da boca de urso e leão. Este testemunho agradou o rei Saul.
Vemos que Davi era realmente um ungido de Deus por não depender de recursos humanos como a armadura de Saul. Saul por sua vez, confiava na armadura.
Você já passou por situações difíceis que parecia que não ia suportar?
Eu já enfrentei situações que eu achava que não ia conseguir suportar, mas ao me levantar contra toda oposição, vi que Deus era sempre comigo, me dando a vitória.
A verdade é que o crente não deve temer o inimigo: seja este espiritual, humano, seja qual for.  
Ao contrário, ele deve resistir firme na fé. Seja uma ameaça, um ataque violento, um ato de vingança, ..., por pior que seja a investida do inimigo, o crente deve estar sempre preparado para enfrentar e vencer em Nome de Jesus.

Ler 1 Pedro 5. 8, 9 e Tiago 4.7. O segredo da vitória está em RESISTIR O INIMIGO FIRME NA FÉ.

Como? Conforme Efésios 6. 16 que diz: embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno.

Saiba que o papel do inimigo é nos atingir com seus dardos inflamados. Estes dardos inflamados são pensamentos que nos inquietam. Diante de problemas que se levantam contra nós pensamos: E agora, o que vai acontecer? E se ele for lá? E se ela vier aqui? E se ele contar para o meu pai, para a minha mãe? Por que eu fui fazer isso? O que vai ser de mim???? E isto fica martelando dias, semanas, meses.
O papel do Diabo é envenenar os nossos pensamentos. Um pecado cometido! Um mal praticado! Um tropeço moral! São nestas horas que o Diabo aproveita para nos envenenar.
Para isso ele lança suas mentiras, pensamentos de vingança, dúvidas, medo, ansiedade, etc. Mas ...

  1. O CRENTE SABE QUE DEUS ESTÁ COM ELE. No v. 40 vemos que Daví se prepara para a batalha.  
Dos versos 42 a 44 vemos que o gigante o despreza por não ter Davi aparência, estatura, armadura e armas de guerra. O gigante não gostou nenhum pouco.
Mas a partir do verso 45 Daví antes de atacar o gigante, ele glorifica a Deus dizendo: “....”

CONCLUSÃO: Muitas são as investidas do Diabo, do homem, contra a vida daqueles que pertencem ao Senhor. E por piores que pareçam ser, não podemos nos intimidar porque temos a Deus que é maior que tudo. Precisamos ter conhecimento dos atributos de Deus, do Seu propósito Soberano para as nossas vidas e enfrentar o inimigo na dependência do Senhor.

APLICAÇÃO: Você está passando por alguma experiência que tem tirado a tua paz, te deixado preocupado, triste, inseguro, com medo? Faça o seguinte:

v     Comece a orar!
v     Procure conhecer e desfrutar as promessas de Deus na tua vida.
v     Não desista, não entregue os pontos para o inimigo.

Em Cristo! Só Nele somos mais que vencedores!

Edécio.



segunda-feira, 8 de outubro de 2012

MATURIDADE EM TODAS AS SITUAÇÕES


Certo discípulo procurou o seu mestre e pediu conselhos sobre a melhor maneira de crescer e se tornar uma pessoa madura. O mestre então o orienta da seguinte forma:
Vá ao cemitério e fale mal de todos os mortos. 
O discípulo foi e fez o que o mestre orientou fazer: passou a xingar os mortos.
No dia seguinte ele voltou ao seu mestre que perguntou: E aí, como é que foi? Eles responderam?
Respondeu o discípulo: Claro que não mestre!
Então volte lá e faça o contrário: Elogie, fale bem de todos os mortos.
O discípulo obedeceu. Chegou ao cemitério e começou a falar bem dos defuntos.
Ao voltar ao seu mestre este quis saber se os mortos haviam respondido. 
Não mestre (respondeu o discípulo) isto é algo impossível ver e ouvir os defuntos reclamarem ao serem ofendidos, ou se alegrarem ao serem elogiados. São defuntos!  
Então o mestre concluiu entregando a ele a resposta à sua pergunta em querer saber qual a melhor forma de crescer e amadurecer em todas as áreas da vida. Então, o mestre lhe responde dizendo:
Filho! Para ser uma pessoa madura em todas as áreas da vida comporte-se da mesma maneira que os defuntos: Não deixe que os louvores ou as críticas destrutivas, te incomodem. Procure viver da melhor forma possível cada momento da sua vida começando por Cristo. Dando a Ele o primeiro lugar.

Nós ficamos muito preocupados com o que as pessoas pensam de nós, e isto é ruim porque faz com que deixemos de lado o principal que á agradar antes de tudo a Deus em Cristo Jesus.
Talvez você pergunte: E como eu posso agradar a Deus. Segundo a Bíblia só existe uma única forma de agradar a Deus que é pela fé. Na bíblia, em Hebreus 11. 6 está escrito: De fato, sem fé é impossível agradar a Deus.

Muitas vezes nos tornamos improdutivos, negligentes, quanto às críticas que recebemos. Quando isto acontece nos descuidamos e acabamos por enterrar os dons que Deus nos deu. Por outro lado, quando somos elogiados, corremos o risco de nos sentirmos superiores, passando a agir unicamente pelo prazer do reconhecimento e da fama, o que é também um desastre. Eu quero te desafiar neste estudo a pensar na seguinte lição:

A FÉ QUE AGRADA A DEUS NOS LEVA A AGIR DE FORMA MADURA EM TODAS AS SITUAÇÕES.

Na bíblia, em I Tessalonicenses 5:16 – 23 está escrito: 5.16   Regozijai-vos sempre. 5.17   Orai sem cessar. 5.18   Em tudo, dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco. 5.19   Não apagueis o Espírito. 5.20   Não desprezeis as profecias; 5.21   julgai todas as coisas, retende o que é bom; 5.22   abstende-vos de toda forma de mal.
É bom lembrarmos que esta carta foi escrita para uma igreja madura, que permanecia firme na fé, tornando-se até modelo para as outras igrejas (1.7). Era uma igreja diferente da igreja de Corinto que era uma igreja de crianças na fé.
Portanto com base no texto nós vamos aprender que:

A FÉ QUE AGRADA A DEUS NOS LEVA A AGIR DE FORMA MADURA 
EM TODAS AS SITUAÇÕES.

1. A FÉ QUE AGRADA A DEUS NOS LEVA A UMA ALEGRIA COSNTANTE v. 16. Esta é a alegria que só a salvação em Cristo pode nos proporcionar. A alegria da salvação é graça de Deus, portanto é eterna. A Bíblia diz que há alegria no céu quando um pecador se arrepende (Lucas 15. 7). A Bíblia diz que quando chegar o grande Dia, e subirmos para a glória, Deus vai enxugar toda lágrima dos olhos, ... (Apocalipse 21. 4). Isto nos leva a entender que o céu, o lugar onde os crentes em Cristo passarão a eternidade, será de alegria para todo o sempre. Mas eu creio que Deus quer que desfrutemos esta alegria a cada momento da nossa vida, desde agora e para sempre.

2. A FÉ QUE AGRADA A DEUS NOS LEVA A ORAR INCESSANTEMENTE v. 17. Tem crente que só ora quando vai à igreja ou em momentos difíceis, quando as coisas estão fugindo ao seu controle. Cultivar o hábito da oração é uma das melhores coisas que podemos desfrutar no nosso dia a dia. Devemos orar: indo para o trabalho, para a escola, quando vamos ao supermercado. Ore a Deus por tudo: confessando os seus pecados imediatamente; louvando e agradecendo a Deus pelo que Ele é e pelas muitas maravilhas que Ele opera em nossas vidas.
Em Ef 6:18 está escrito: ... orando em todo o tempo no Espírito ... Nossa vida de oração deve ser uma comunicação contínua com Deus.

3. A FÉ QUE AGRADA A DEUS NOS LEVA A DAR GRAÇAS A DEUS POR TUDO V. 18. Você costuma agradecer a Deus pelo simples copo d’água que você bebe? Em que momento que você é agradecido a Deus? Pense nisto!
Quando Jó passou por todo aquele sofrimento ele foi agradecido a Deus dizendo no capítulo 1:21-22 o seguinte:
Nu saí do ventre de minha mãe e nu voltarei; o Senhor deu e o Senhor o tomou; bendito seja o nome do Senhor! Em tudo isso Jó não pecou, nem atribuiu a Deus falta alguma.

4. A FÉ QUE AGRADA A DEUS NÃO ENTRISTECE O ESPÍRITO SANTO v. 19. Se nós voltarmos a nossa atenção para os três primeiros pontos, vamos ver que é o oposto que entristece o Espírito Santo: tristeza, falta de oração (incredulidade) e ingratidão. A vida cristã é uma vida cheia de oração, intimidade com Deus, gratidão, .., e por que seria diferente?
Gosto sempre de lembrar o que um pregador num dos estudos disse numa conferência para lideres: O crente é a única pessoa no mundo que tem por obrigação de andar com um sorriso 24 horas por dia no rosto.

5. A FÉ QUE AGRADA A DEUS NOS LEVA A NÃO DESPREZARMOS O ENSINO. v. 20 - 22. Vejam que versos 16 ao 19 cada um deles encerra com um ponto, indicando que a frase encerrou. Mas os versos 20 a 22 estão separados por ponto e vírgula, indicando que devemos fazer uma pausa um pouco maior que a virgula, mas que a frase ainda não terminou.
Hoje o pós modernismo fala que não há uma verdade absoluta, pois todos tem a sua verdade, fazendo com que o Evangelho de Cristo, fique no mesmo nível que outros. E muitas igrejas hoje estão pregando mais para satisfazer o homem e não a Deus. Isto faz com que as pessoas escolham aquilo que querem ouvir. Isto é desprezar as profecias, a mensagem bíblica.
Mas o crente maduro, mesmo que sinta na alma o incomodo da Palavra, pois ela toca na ferida, ele se humilha, confessa a Deus, se levanta e continua a caminhada. Ele continua na sua caminhada, aí, mais à frente ele ouve uma palavra igual, mas ainda não se aprumou, ou escuta outra que o incomoda em outra área, sabe que é bíblica, o que ele faz? Ele se humilha, confessa. Quantas vezes ele ouvir e quantas for necessário, ele se humilha diante de Deus, porque ele sabe que Deus também jamais o desprezará. Por isso ele está sempre examinando a Palavra de Deus. Ele encontra tempo para isso. E é assim que ele encontra resistência para fazer o bem e rejeitar o mal. Mas não é nada fácil.

CONCLUSÃO: Viver pela fé não é nada fácil. As pessoas dizem que tem fé porque acham que ter fé é o simples fato delas falarem que tem. Mas ter fé não é nada, fácil. Foi por isso que Cristo falou para os discípulos: Se tiverdes fé do tamanho de um grão de mostarda ... o que aconteceria? Dirás a este monte: ergue-te, e isto não seria impossível.  
Ter fé para a salvação é uma coisa. Mas ter fé dia a dia não é fácil. Querem um exemplo? Aceitar plenamente as doutrinas básicas da fé cristã não é nada fácil. A pessoa acreditar que o crente não perde a salvação não é nada fácil. A pessoa acreditar que em Cristo Deus nos vê perfeitos, puros, sem pecado algum, justificados. Isto não é nada fácil. Reconhecer, declarar perante todos que eu me considero o pior dos pecadores, também não é nada fácil. Acreditar que em Cristo, todos os nossos pecados: do passado, de hoje e os que eu ainda nem sei se vou ou não cometer já foram todos pagos lá na cruz, isto não é nada fácil.
Então, quando o crente entende, aceita e desfruta – DESFRUTA – as doutrinas básicas da fé cristã, aí é diferente. Ele está sempre se regozijando no seu interior. Ele está sempre em oração. Ele está sempre glorificando a Deus no espírito. O Espírito está sempre operante (ele não murmura, não esmorece, não desanima, ...). E sabe por quê ele está sempre em forma? Porque ele não despreza o ensino.

Como a pessoa pode dizer que vence o pecado se não busca um conhecimento correto da Palavra, dos ensinos básicos da fé cristã que é a base para a maturidade cristã?
Nesta vida nunca seremos perfeitamente vitoriosos sobre o pecado, mas para vencê-lo, precisamos ter primeiro um conhecimento correto de Deus e das doutrinas básicas da fé cristã. A partir daí, passo a passo, lentamente, vamos crescendo, nos fortalecendo e amadurecendo para vivermos dia após dia, uma vida feliz e plena de significado.
Em Oséias 4. 6 está escrito: O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento.

Deus tem sempre o melhor para cada um de nós, a partir do momento que a nossa fé estiver totalmente voltada para Cristo Jesus. E só Ele para nos abençoar desde agora e para sempre.

Edécio Augusto.




sábado, 6 de outubro de 2012

MATURIDADE CRISTÃ


Maturidade diz respeito a uma experiência de vida que pouco a pouco leva a pessoa ao amadurecimento.
Cada um de nós, a cada dia que passa, somos aperfeiçoados, alcançando cada vez mais um nível mais elevado de maturidade, quer seja por experiências boas ou ruins. Estamos sempre aprendendo e crescendo.
É claro que há exceções, pois nós sabemos que há pessoas que “crescem” mas não amadurecem.
Este estudo sobre maturidade cristã é o início, o carro chefe de outros tipos de maturidade: física, emocional, social, psicológica, ... Mas a razão pela qual eu vou começar por maturidade espiritual é porque a maturidade espiritual é o que encabeçará os demais, isto porque: quando o crente não amadurece espiritualmente, as demais áreas ficam enfraquecidas.

Uma igreja que Paulo encontrou um nível de maturidade espiritual muito fraco foi na igreja de Corinto. Leia o texto que está em 1 Corintios 3. 1 – 8. Com base neste texto vamos aprender que:

A MATURIDADE CRISTÃ SE DESENVOLVE POR MEIO DE UMA FÉ
ALICERÇADA NAS DOUTRINAS BÁSICAS DO CRISTIANISMO.

Há um grande obstáculo que nos impede de amadurecermos espiritualmente por criarmos obstáculos que não nos permite crermos nas doutrinas básicas do cristianismo.
Coisa difícil é o cristão viver pela fé e aceitar o fato que a salvação é por meio da fé em Cristo Jesus. Com isso, não podemos esquecer que Romanos 1. 16, 17 diz que a justiça de Deus se revela no Evangelho de fé em fé. E diz mais: o justo viverá pela fé. O verbo está no futuro.
A partir do momento que a pessoa aceita a Cristo, a única forma de vida que Deus espera que o crente viva daqui para frente é somente pela fé. Portanto, se o crente não tiver uma fé que o leve a crer e descansar verdadeiramente nas doutrinas básicas da fé cristã, ele bambeia, ele enfraquece e não amadurece. Conseqüentemente, outras áreas na vida dele não amadurecem como deveriam.
Foi o que Paulo escreveu para aqueles crentes que eram adultos fisicamente falando, mas espiritualmente eram como crianças. Paulo diz: 3.1   Eu, porém, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, e sim como a carnais, como a crianças em Cristo. 3.2   Leite vos dei a beber, não vos dei alimento sólido; porque ainda não podíeis suportá-lo. Nem ainda agora podeis, porque ainda sois carnais.

Paulo escreve a uma igreja em que o maior prazer daqueles crentes era servir mais os apetites da carne, mas nem por isso, Paulo os desprezou, ao contrário, os irmãos da igreja de corinto, apesar da carnalidade, da pecaminosidade, do mundanismo que invadia aquela igreja, Paulo, sendo um cristão maduro, os trata segundo os princípios bíblicos do amor e alerta-os, para a necessidade deles se alimentarem do alimento sólido, ou seja, as doutrinas necessárias, básicas do cristianismo, para o fortalecimento na fé de cada um deles. É isto o que todo crente precisa: AMADURECER. Por quê? Porque ...

A MATURIDADE CRISTÃ SE DESENVOLVE POR MEIO DE UMA FÉ
ALICERÇADA NAS DOUTRINAS BÁSICAS DO CRISTIANISMO.

E quais são as doutrinas básicas do cristianismo que precisamos conhecer para o desenvolvimento da nossa fé e maturidade cristã?

  1. A MATURIDADE CRISTÃ SE DESENVOLVE POR MEIO DA FÉ NA GRAÇA DE DEUS. Graça é um atributo de Deus, é algo que é DELE próprio, ou seja, mesmo que não existisse ninguém, Deus seria gracioso. Então graça faz parte da natureza de Deus. Não foi por nossa causa que ELE veio se tornar gracioso.
E o significado da graça é: FAVOR IMERECIDO. Isto significa que Deus é gracioso para com ELE mesmo. Isto é: ELE ama a ELE mesmo, sem que precise que alguém o ame. E por Ele ser glorificado em Si mesmo, Ele não precisa de nada da gente. Mas ELE quis nos conceder Sua graça, por ser para nós um privilégio sermos instrumentos de louvor da Sua graça. Então sobre a graça, podemos dizer que:

    • A GRAÇA NENHUM DE NÓS A MERECEMOS (2 Tm 1. 9)
    • A GRAÇA É UM DOM, PRESENTE DE DEUS (Ef 2. 8 – 10)
    • A GRAÇA É ETERNA (2 Tm 1. 9)
    • A GRAÇA É UM MISTÉRIO (Dt 29. 29). Para todas as doutrinas básicas da fé cristã, em dado momento, surge um ponto de interrogação na nossa mente como querendo dizer: Eu entendo, mas não aceito. Mas é aí que a fé entra em ação e aceita porque ESTÁ ESCRITO NA BÍBLIA.
2. A MATURIDADE CRISTÃ SE DESENVOLVE POR MEIO DA FÉ NA JUSTIFICAÇAO. A justificação pela fé é o ato de Deus NOS DECLARAR JUSTOS. Deus creditou a Cristo a nossa desobediência e rebeldia e creditou em cada um de nós, a Sua obediência, a justiça de Cristo. Então, embora sendo pecadores, ao nos justificar em Cristo, Deus passou a nos ver: SEM PECADO ALGUM. COMO SE NUNCA TIVESSEMOS PECADO. Segundo os reformadores, esta doutrina é o âmago, o ponto central do Evangelho.
Mais uma vez, esta é uma doutrina que revela mais um dos mistérios de Deus. Ou seja, devemos aceitar pela fé, porque está na Bíblia. Então, a justificação nos garante que:

    • NINGUEM É SALVO PELAS OBRAS (Gl 3. 11).
    • A JUSTIFICAÇÃO NOS LEVA A TER PAZ COM DEUS (Efésios 5. 1) – Rm 1. 18.
    • EM CRISTO FOMOS FEITOS JUSTIÇA DE DEUS (2 Corintios 5. 21).
    • A LEI NOS CONDUZIU A CRISTO PARA SERMOS JUSTIFICADOS (Gl 3. 24). 
  1. A MATURIDADE CRISTÃ SE DESENVOLVE POR MEIO DA FÉ NA SOBERANIA DE DEUS. 
    • DEUS ESCREVEU TODA A NOSSA HISTÓRIA (Sl 139. 13 - 16)
    • DEUS FAZ O QUE ELE QUER E COM QUEM ELE QUISER (Rm 9. 19 – 24)
    • DEUS PERMITIU O PIOR NA VIDA DE JÓ (Jó 42. 1- 5) 
  1. A MATURIDADE CRISTÃ SE DESENVOLVE POR MEIO DA FÉ NAS MISERICÓRDIAS DE DEUS. 
    • AS MISERICÓRIDAS DO SENHOR SE RENOVAM CADA NOVO DIA (Lm 3. 21-25).  
  1. A MATURIDADE CRISTÃ SE DESENVOLVE POR MEIO DA FÉ NA NOSSA ELEIÇÃO. 
    • DEUS NOS ESCOLHEU PARA ELE ANTES DA FUNDAÇÃO DO MUNDO (Ef 1. 3 – 14)
    • DEUS NOS ESCOLHEU PARA CONFUNDIR MUITOS QUE SE ACHAM (1 Co 1. 27 – 31).   
  1. A MATURIDADE CRISTÃ SE DESENVOLVE POR MEIO DA FÉ NO PERDÃO DE DEUS. O perdão de Deus é a maior prova do Seu amor para conosco. 
    • A MORTE DE CRISTO NOS PERDOA DOS PECADOS PASSADOS, PRESENTES E FUTUROS (Is 53. 4 – 7). Uma das maiores verdades da Bíblia é que Cristo morreu para remover todos os nossos pecados - não apenas parte deles, mas todos eles: do passado, do presente e do futuro. 
    • DEUS PERDOA EM CRISTO OS NOSSOS PECADOS E ESQUECE (Mq 7. 18, 19)
    • DEUS PERDOA ETERNAMENTE (Mt 18. 21, 22) 
Como o homem se tornou pecador por natureza, pecar contra Deus, contra si mesmo e contra seu próximo é um problema universal. 
  • Não há cristão que não peque;
  • Não há cristão que não fira;
  • Não há cristão que não seja ferido;
  • Não há cristão que não precise pedir perdão;
  • Não há cristão que não necessite perdoar.
Falar, portanto, da bênção do perdão, é falar de algo que toca de perto a vida de todos nós.
Quem pode dizer que não precisa de perdão?
E quem pode dizer que não precisa entrar em níveis mais elevados e profundos de perdão?

CONCLUSÃO: Então, maturidade cristã, é o crescimento espiritual que todo cristão deve buscar, se alicerçando nas doutrinas básicas da fé cristã. Conhecendo e desfrutando delas diariamente, a nossa fé se fortalece em meio a todos os males e adversidades da vida.

APLICAÇÃO: Geralmente, quando julgamos ou condenamos alguém por algum desvio ou pecado cometido, é porque não temos conhecimento destas doutrinas que são o alicerce para o fortalecimento da nossa fé. E quando não temos este conhecimento, não podemos ajudar a quem precisa. O cristão maduro não se escandaliza, ao contrário, ele conhece a estrutura humana e sabe que somos pó. Então, ao ver o irmão fraco ou fracassando, ele o ajuda. 
Você tem procurado ajudar alguém ou ao contrário tem condenado?

Edécio Augusto.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

A PRESENÇA DE JESUS FAZ TODA A DIFERENÇA.


TEXTO: João 20. 19-31.

Pergunta: Por que a presença de Jesus faz toda a diferença?
Resposta: Porque Ele ressuscitou, revelando-se como Deus que tem poder sobre a morte.    

Quando José recebeu a revelação do anjo dizendo que Maria geraria uma criança por obra do Espírito Santo, o nome dela seria EMANUEL, que quer dizer: DEUS CONOSCO. (Is 7. 14; Mt 1. 23).
Infelizmente parece que às vezes nos esquecemos desta verdade.
Você procura lembrar no seu dia a dia esta verdade ao ponto de deixar um pouquinho de lado os seus afazeres para meditar nas verdades da glória eterna e louvar a Jesus por ser Ele o Deus cheio de glória? 
Infelizmente, há pessoas que vão à igreja e quando ouvem que Deus é presente no nosso meio, que Deus é bem presente na vida dos Seus, parece que isto não faz qualquer diferença para alguns.
O texto que acabamos de ler está dentro do contexto que fala sobre a Ressurreição de Cristo, mas fala também sobre a fé. Mas a verdade, o que vemos, é uma manifestação de incredulidade por parte dos discípulos. E podemos ter certeza de que é isto o que acontece muitas vezes conosco. Portanto o texto vai nos ensinar que: A PRESENÇA DE JESUS FAZ TODA A DIFERENÇA PORQUE NOS PREENCHE COM A SUA PAZ, ALEGRIA E PODER DO ESPÍRITO SANTO. Para uma aplicação prática para as nossas vidas vamos aprender:

1.A PRESENÇA DE JESUS FAZ TODA A DIFERENÇA PORQUE NOS PREENCHE COM A VERDADEIRA PAZ (vv.19, 21 e 26). A primeira virtude que desfrutamos quando entregamos a nossa vida a Jesus é a paz com Deus, por sermos justificados pela fé (Romanos 5.1). Você sabe o que isto significa uma pessoa como eu e você, ser declarada justa e inculpável aos olhos de Deus? Só Deus para fazer isso! É só assim que podemos ter a paz que o mundo não pode dar. Foi o que Cristo falou em João 14.27.
No mundo a pessoa tem paz quando prospera. Mas infelizmente muitos crentes também pensam assim. Mas se vierem a perder o que conquistaram, perdem a paz também.
Foi isto o que os discípulos sentiram quando Cristo morreu, o medo deles era como se tudo tivesse acabado. Não entendiam ainda sobre a ressurreição (v. 9). Para eles Cristo ainda era morto. E é assim que muitas vezes a nossa fé é enfraquecida, por uma incredulidade ao ponto de nos impedir de desfrutar a paz com Deus em meio a todas as adversidades da vida. Em seguida vamos aprender que:

2.A PRESENÇA DE JESUS FAZ TODA A DIFERENÇA PORQUE NOS PREENCHE COM A VERDADEIRA ALEGRIA (20). Os discípulos estavam assustados, com medo, e a presença de Cristo levou paz aos seus corações. Mas a verdade é que toda pessoa que desfruta a paz com Deus, passa a desfrutar em seguida a alegria da salvação. Isto acontece porque na vida cristã uma virtude atrai a outra. Mas a recíproca também é verdadeira.
Lembro-me de Howard Hendrix, considerado um dos maiores pedagogos dos Estados Unidos, quando falou na 7ª semana dos pastores no SBPV em 1989 o seguinte: O crente é a única pessoa neste mundo, que tem por obrigação de viver 24 horas por dia com um sorriso bem largo no rosto. Pense nisto!

3.A PRESENÇA DE JESUS FAZ TODA A DIFERENÇA PORQUE NOS PREENCHE COM O PODER DO ESPÍRITO SANTO (v. 22). O sentimento de medo, tristeza, ansiedade, raiva, desânimo, e outros males, impedem o agir do Espírito Santo em nossas vidas, porque nestes momentos a incredulidade toma o lugar da fé. Olhando para o texto, podemos fazer a seguinte pergunta: Por que será que Cristo não soprou o Espírito Santo logo que se colocou no meio deles?
Ele não podia fazer isso, porque precisavam antes receber: A paz de Deus (a justificação pela fé). A alegria da salvação (o desfrutar a certeza da salvação). Só depois é que a pessoa é cheia do Espírito Santo.
Muitos entendem que em Cristo já são templo do Espírito Santo. E isto é uma verdade. Glória Deus!
Mas Deus quer nos encher do Seu Espírito, para sermos testemunhas autênticas.
Mas como vamos ser testemunhas do Senhor quando estamos alimentando: tristeza, medo, ansiedade? Tenha certeza que estes sentimentos inibem a ação do Espírito Santo. Por isso, Deus quer que cada filho Seu busque primeiramente a paz, a alegria para depois ser cheio do Espírito Santo (Efésios 5.16-18).

CONCLUSÃO: Levante um clamor a Deus se você está abatido(a) e faça isto todos os dias, até desfrutar:
A PRESENÇA DE JESUS QUE FARÁ TODA A DIFERENÇA PORQUE ELE QUER NOS PREENCHER COM A SUA PAZ, ALEGRIA E PODER DO ESPÍRITO SANTO. Desfrute a presença de Jesus na tua vida e certamente Deus em Sua infinita graça e misericórdia continuará te abençoando.

Edécio Augusto (Congregação Presbiteriana do Pacaembu – Uberaba – MG).



A FÉ NA RESSURREIÇÃO.


Em João 20. 1-18 temos dois assuntos de grande importância: RESSURREIÇÃO E FÉ. Acredito que a ressurreição deveria ser um tema mais ensinado no nosso meio porque a meu ver, parece que a morte de Cristo é muito mais destacada que a ressurreição. Quanto à fé, este é um assunto que recebe destaque, porém, na prática, pouco se sabe sobre a fé. Vemos no texto bíblico três personagens que dão uma demonstração de fé e que nos ajudará a avaliar como está a nossa fé em Cristo Jesus, lembrando que: A FÉ NA RESSURREIÇÃO É CERTEZA DE SALVAÇÃO. Isto porque, o que garante a nossa salvação é crer no Evangelho de Jesus Cristo que fala da: morte, sepultamento e ressurreição (1 Co 15. 3-4).
Com relação a fé, este texto mostra que Maria demonstra uma fé inativa. Pedro, uma fé contemplativa. João uma fé verdadeira. Mas o que podemos aprender sobre a fé destes três seguidores de Jesus: Maria, Pedro e João?

  1. A FÉ DE MARIA. (vv. 1, 2, 11-15). A fé que Maria demonstra ter é uma fé religiosa. A princípio, a fé de Maria aparenta ser uma fé verdadeira, ativa. Veja o que ela faz: É a primeira a chegar ao sepulcro, ainda de madrugada (v. 1). Ela corre para avisar aos discípulos e demonstra estar preocupada com o corpo de Jesus que desaparecera, demonstrando um grande interesse por Jesus, porém o Cristo morto (v. 2). Permanece chorando (v. 11). É admoestada duas vezes quanto ao choro (vv. 13, 15). Jesus fala com ela mas não O reconhece, ao ponto até de confundi-LO com o jardineiro (v. 15).
Perceba que ela faz tudo que uma pessoa religiosa faz. Corre, vai num lugar, vai noutro, chama um, chama outro, chora, ..., mas não reconhece o Cristo Ressuscitado. Sua preocupação é com o corpo de Cristo. É assim que muitos religiosos fazem. Te muita gente correndo pra lá e pra cá, cantando, indo a igreja, .... Mas e daí?  

  1. A FÉ DE PEDRO (vv. 3-7). Embora Pedro de certa forma se destacasse entre os demais por ser o homem que era, neste momento ele vacila na fé, demonstrando uma fé apenas contemplativa. Ele chega, entra no túmulo, vê e fica só analisando e se perguntando: Será que ressuscitou mesmo? Precisamos ter provas mesmo antes de nos apressarmos em dizer que Ele ressuscitou! Mesmo sabendo que o túmulo estava guardado por uma escolta (Mateus 27. 62-66), ele ainda não cria no Cristo Ressuscitado.   

  1. A FÉ DE JOÃO (v. 8). Esta sim é a fé verdadeira: viu e creu. Não é necessário falar mais nada. Ele simplesmente creu. É claro que a fé chega a nós pelo OUVIR (Romanos 10. 17), mas na época, a fé, era pelo que se via (Hb 1.1). Dependia de fatos reais e visíveis. E com certeza, o conhecimento das pessoas em relação a ressurreição era superficial (v. 9). Mas João ao ver, creu. Lembrou o que Cristo falou antes de morrer (Lucas 24.7).

CONCLUSÃO: O Evangelho de Jesus Cristo que nos proporciona a fé para a salvação (Romanos 1.16,17), por ser graça de Deus, é tão simples e ao mesmo tempo tão profundo que é impossível aceitar se não for por fé. Basta apenas crer. Mas infelizmente, a maioria dos cristãos – NÓS – complicamos muito.
Como está a tua fé? Está para uma fé mais inativa como a de Maria, contemplativa como a de Pedro, ou como a de João verdadeira.
Parece que eu estou vendo você responder: A minha fé está mais para verdadeira. Glória a Deus por isso!
Mas me responda uma coisa: A tua fé de domingo quando chega à igreja e quando vai para casa, é a mesma que você demonstra durante a semana no teu trabalho, nos teus estudos, em casa, no trânsito e em meio as adversidades?

APLICAÇÃO: Uma forma simples de avaliar se vivenciamos uma fé verdadeira, é quando aproveitamos as oportunidades da vida e falamos do amor de Deus para as pessoas destacando a importância de crermos, sem sombra de dúvida no Cristo Ressuscitado.  
Maria passou a ter fé verdadeira em Jesus só depois que O ouviu chamando-a pelo nome e deu uma resposta ao seu chamado. Cristo chama cada um da fé, diariamente, para darmos a melhor resposta que Ele quer ouvir de nós: Eis-me aqui Senhor, usa a minha vida. Foi isto o que Maria fez.
O versículo 17 está bem claro quando Cristo diz a Maria: vai ter com os meus irmãos e dize-lhes. Mas dize o que? Que Cristo ressuscitou.  Isto significa que a doutrina da ressurreição, é muito importante para o fortalecimento da fé. E jamais esqueça que a fé para a nossa salvação foi nos dada só porque Ele ressuscitou.
Com isso eu termino esta primeira mensagem no Cristo Ressuscitado dizendo:

A FÉ NA RESSURREIÇÃO É CERTEZA DE SALVAÇÃO.

Creia no Cristo Ressuscitado e certamente você viverá uma vida feliz e plena de significado.

Edécio Augusto (Congregação Presbiteriana do Pacaembu – Uberaba - MG).